Check list para execução de processo de pintura pó

Tempo de leitura: 4 minutos

Um check list nada mais é que uma lista de verificação dos procedimentos, equipamentos e produtos necessários para execução de uma tarefa. Em um check list você inclui todos os passos que precisam ser feitos para que o trabalho seja finalizado com sucesso, sem imprevistos ou falhas.

No processo de pintura pó não é diferente. Ter em mãos um check list e fazer uso dele, pode garantir melhores resultados no desenvolvimento do trabalho.

Preparamos um check list para você iniciar a pintura pó da maneira adequada. Essas dicas são importantes para otimizar o tempo e garantir menor desperdício de material e recursos.

Vamos a eles:

Defina a cor a ser utilizada

Você precisa verificar com atenção a cor e a tinta pó que será utilizada antes de começar qualquer aplicação e limpeza de cabine.

Otimize tempo de produção

Como se sabe, o tempo de produção é indispensável para um trabalho rentável. Sendo assim, a agilidade do set-up deve ser observada, mas sempre respeitando ao máximo a eficiência da limpeza. Assim, você evita qualquer contaminação e eliminação de peças ou repinturas, bem como, novas limpezas desnecessárias, o que acarreta em desperdícios de tinta e maior tempo de produção.

Pintura pó eletrostática W3

 Certifique-se que a pistola de pintura

Um dos principais fatores de influência de uma boa pintura, além de uma tinta de qualidade, está relacionado à qualidade e condições dos equipamentos de pintura. 90% das reclamações feitas em tinta pó têm como origem os equipamentos de pintura, muitas vezes desgastados ou danificados.

Para alguns tipos de tintas a pistola eletrostática tem que gerar no mínimo 70% de KV -Tensão eletrostática no campo eletromagnético na ponta da pistola. Desta forma, a aplicação será  perfeita em relação a padrão de textura, cor, rendimento e (aderência à peça antes da cura no momento da pulverização do pó), como no caso das tintas CRAQUEADAS que apresenta uma situação mais crítica. Já as tintas texturizadas, se não tiverem com o KV dentro do especificado, apresentaram mudanças nos tamanho das texturas e mudanças na cor, no caso dos craqueados, serão evidentes, alterando-se assim o padrão desejado.

Certifique-se que a cabine de pintura 

A limpeza da cabine de pintura também é um fator indispensável. Uma limpeza bem feita garante a qualidade da aplicação no quesito contaminação e aspecto visual do produto final. Além disso, gera benefícios na produção com ganho na produtividade evitando repinturas e desperdício de peças e tintas contaminadas.

Dica de ouro: usar apenas ar comprimido e um rodo em caso de cores com tonalidades próximas. Para cores muito diferentes usar ar comprimido e um pano seco em todos os pontos críticos.

Verifique a condição das gancheiras:

Pintura W3Certifique-se que as gancheiras e peças estão limpas.

Gancheiras sujas isolam a passagem da corrente elétrica, ocasionando assim o efeito “Gaiola de Faraday”, que faz com que a tinta não pegue na peça, gerando estalos entre as gancheiras e as peças. Também ocorrem descargas elétricas nas pistolas (choques), forçando o equipamento, podendo até mesmo danificá-lo. Isso também acarreta falhas na pintura, gastos com repinturas, desconforto dos pintores e dificuldades de aplicação.

Verifique se a temperatura da estufa

A temperatura da estufa deve estar de acordo com o especificado, para isso, fique atento à condição das borrachas das portas. Se estiverem desgastadas podem comprometer a vedação. Circulação de ar, manutenção dos queimadores e qualidade do gás devem ser respeitados para se obter a temperatura de cura especifica para cada tipo de tinta, conforme estipulado pelo fabricante. A falta de cura gera uma pintura de qualidade extremamente enganosa, onde a curto prazo e por qualquer impacto podem ocorrer desplacamentos do filme de tinta.

FIQUE ATENTO:

 * Desconfie do excesso de brilho de sua pintura, pois pode ser um sinal de falta de cura;

 * Em caso de falta de cura, regule a estufa na temperatura ideal e recure a peça novamente,  respeitando o tempo e temperatura ideal;

 * Excesso de cura pode gerar amarelamento em cores claras;

 * Falta de circulação eficiente do ar dentro da estufa pode gerar falta de cura apenas em alguns pontos da estufa.

 * Aloque o termopar em pontos estratégicos dentro da estufa e não muito próximo do queimador. Assim você evita resultados enganosos de temperaturas;

 * Se o filme de tinta desplacado for quebradiço e frágil como uma casca de ovo o problema é falta de cura. Se o filme estiver curado e houver desplacamento, o filme sairá em pedaços maiores e resistentes, então será um problema de falta de aderência por alguma influência da superfície da peça.

Quer saber mais sobre Pintura Eletrostática? Assine nossa newsletter!

Deixe uma resposta